As crises do Império Romano (Parte 2)

Desafios enfrentados pelo Império Romano

improman

Como vemos no mapa, o Império era muito extenso e mantê-lo protegido ficou muito caro, pois era necessário um exército numeroso e bem preparado, uma poderosa administração pública, além de uma boa infraestrutura constituída de estradas, muros de proteção, etc.

Para minimizar o problema, algumas medidas foram tomadas como, por exemplo, dar mais autonomia às administrações provinciais e contratar estrangeiros (povos germanos) para o exército. Em troca da participação no exército, os mercenários estrangeiros recebiam soldo ou terras nas fronteiras do Império. A seguir, vamos entender por que essas decisões não foram suficientes.

Havia profundos problemas! Eram eles:

COLISEU

  • Crises políticas: sucessões marcadas por guerras;
  • Colapso do sistema escravista: com o fim das conquistas perde-se a principal mão de obra;
  • Problemas econômicos: inflação elevada, altos impostos, preços elevados e grandes despesas do governo;
  • Dificuldade em manter a segurança das fronteiras do Império;
  • Difusão do Cristianismo;
  • Invasões Bárbaras.
Você deve estar se perguntando, “Mas quem eram os bárbaros?”. Vamos entender!
BARBARES_(FRANCS_WISIGOTH_BEram chamados de “bárbaros” todos os povos que viviam fora da fronteira do Império Romano. Portanto, bárbaros eram todos aqueles povos que não falavam o latim, a língua oficial de Roma, e não partilhavam da cultura romana. Os grupos bárbaros eram:
 – Tártaros-mongóis: hunos, turcos, búlgaros, húngaros (magiares);
 – Eslavos: russos, poloneses, tchecos e sérvios;
 – Germanos: visigodos, ostrogodos, hérulos, anglos, saxões, francos, lombardos e vândalos.
A vida em sociedade destes povos era bem diferente da vida dos romanos! Talvez por isso, os romanos estranhassem tanto a presença desses povos no Império. Perceba suas características:
franks
  • Economia sem moeda e natural;
  • Caça, pesca, saque, pastoreio, agricultura rudimentar;
  • Propriedade coletiva da terra;
  • Dividiam-se em tribos;
  • Sociedade ágrafa (sem escrita);
  • Direito consuetudinário (baseado nos costumes);
  • Religião Politeísta (vários deuses);
  • O contato com o Império Romano fez surgir a propriedade privada da terra e as desigualdades sociais.

Um comentário sobre “As crises do Império Romano (Parte 2)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s